3 conselhos para uma infância mais proveitosa

Postado em Mar 19, 2014 em Blog

3 conselhos para uma infância mais proveitosa

Dia desses, recebi o contato de uma mãe angustiada com o fato de seu filho de 4 anos não apresentar rendimento igual ao do irmão mais velho, quando este também tinha 4 anos. Pensando sobre o assunto, reuní três conselhos que os pais podem seguir para garantir uma infância proveitosa, tanto no quesito diversão quanto no quesito desenvolvimento, para seus pequenos. Depois conta pra gente nos comentários se você já segue algum deles. Vamos lá?!
 

1. Passe mais tempo com eles

Nesse mundo atribulado em que vivemos, a falta de tempo acaba minando a proximidade entre os pais e suas crianças. Desde muito cedo, muitas delas são incentivadas a ter sua TV, seu tablet e outros recursos tecnológicos que a distraiam, dando aos pais mais tempo para suas necessidades. Veja, é necessário sim que os pais tenham algum tempo para si, porém, não devem esquecer de cumprirem com amor, não como obrigação, sua função na qualidade de brincar com seus filhos.

abraco-mae-filhaAlém disso, cada criança aprende a falar, a andar, a comer e desenvolver suas habilidades no seu tempo, que é singular a cada uma e não determina a sua vida adulta. O fato dela responder de modo diferente ao esperado não significa, até que se observe outros sintomas, qualquer comprometimento da sua capacidade. Para compreender o ritmo de seu filho, procure escutá-lo e observá-lo mais.
 

2. Brincar, brincar, brincar!

Através do brincar, a criança realiza aquilo que ainda está em fase de elaboração psíquica. Isso porque, na brincadeira, ela manifesta em palavras e ações aquilo que faz parte da sua imaginação, e isso ajuda o seu processo de desenvolvimento. Como diria Winnicott, pediatra e psicanalista inglês, “brincar é algo além de imaginar e desejar, brincar é o fazer”.

crianças-brincando

É importante lembrar que a uma criança de 4 anos não é obrigatório saber muito mais do que contar até 100, saber dizer seu nome completo e de seus pais ou mesmo de outras pessoas importantes à ela, se comunicar usando frases completas para dizer o que quer, além de desenhar formas como sol, casas e bonecos. Dessa forma, é fundamental que a criança saiba que pode e deve brincar, de preferência ao ar livre, usar sua imaginação, criar seus próprios brinquedos (de papel, de massinha e outros objetos), explorar as histórias e livros infantis, bem como as diferentes texturas, formas e cores.

 

3. Cuidado com o excesso de cobrança

criancaEste assunto poderia ter outros desdobramentos, mas, para concluir, lembre-se que toda criança precisa ser apenas criança, sem tantas responsabilidades, tarefas e compromissos, características do mundo adulto. Mais que isso, não antecipe as fases de sua vida, tornando-a um mini-adulto. Isso certamente não a fará feliz, apenas estimula uma necessidade vazia de competição para atender expectativas alheias. Muitos sintomas derivados da ansiedade tem início a partir deste tipo de exigência.

Dito isso, posso ressaltar que, ao reconhecermos as diferenças individuais, respeitamos aquilo que cada um tem a oferecer e, sem dúvida, descobrimos outros meios de se vivenciar momentos realmente felizes. Vamos modificar o modo como entendemos o mundo, sem fechar ideias, mas expandindo o campo de visão das coisas. Dessa forma, novas possibilidades passam a surgir. Vamos tentar?

Até a próxima!

Cláudia Oliveira
Mestre em Psicanálise, Psicóloga, Consultora e Palestrante

Comente com seu Facebook